Os homens são complicados

Texto: Ivan Martins

Almocei ontem com uma amiga que me deu uma aula de ignorância feminina sobre os homens. Coisa simples: o namoro dela acabou porque o rapaz deixou de transar direito. Faltava tesão, ou, pelo menos, faltava ereção.

Ali pelas tantas, drama instalado, o sujeito deu sua versão dos fatos: “Você é bonita demais, inteligente demais, e eu estou interessado demais. Enquanto era só uma transa eventual, não havia problema. Mas agora…”

Minha amiga despachou o rapaz, alegando conversa fiada. “Homem não tem dessas coisas”, explicou, entre triste e impaciente, enquanto separava no prato a gordura da picanha. “Todo mundo sabe que homem é simples.”

A atitude dela – que tem lá sua lógica – me fez lembrar a personagem Malena, de Almudena Grandes, sobre quem escrevi outro dia, nesta coluna. Malena resumia todas as disfunções e hesitações masculinas em uma única palavra: “mariconadas”. Bichices, em bom português.

Olho para a minha amiga, semi-oculta pelos óculos escuros, e percebo o óbvio: as mulheres reservam para si mesmas o monopólio da complexidade. Mulher sem tesão, OK. Homem sem tesão, esquisito. Mulher que não goza, OK. Homem que não goza, esquisito. Mulher paralisada entre o afeto e o desejo, OK. Homem afetado pelo mesmo dilema, esquisito.

Alguém decretou, faz tempo, que o gênero de Adão, quando se trata de sexo, é uma expressão matemática sem incógnita: diante do estímulo apropriado (um beijo na boca, a vista de um decote, uma conversa apimentada), espera-se que os machos da espécie se comportem de maneira previsível.

Eles deveriam avançar a um estágio mental dominado pelo cerebelo, no qual ocorreriam, nesta ordem, os fenômenos físicos da ereção, penetração e orgasmo. Tudo isso rapidamente. Preliminares, afinal, são perfunctórias, coisa de mulher. Já viu um filme sobre sexo de leões? É aquilo, com banda sonora. Leão não fala palavrão.

Claro: não é nada disso. Homens também têm suscetibilidades, inseguranças e desconfortos. Eventos aleatórios podem tirar um sujeito do roteiro biológico. Alguns desses eventos, como descobriu minha amiga, são de natureza sentimental: um homem intimidado pelas qualidades físicas ou sociais da amante (ou por seu afeto por ela) é um amante à beira do desastre.

Como se lida com isso? Vendas bilionárias de Viagra & Similares sugerem que os homens estão turbinando a si mesmos para evitar decepções. Mas não é isso que eles querem. Nem é isso que querem as mulheres. Elas se divertem imenso com as possibilidades do sexo anabolizado, mas ele não é a resposta para os problemas de uma relação duradoura.

As mulheres querem sentir-se desejadas. E amadas. E satisfeitas. Para isso, só há duas soluções de longo prazo: arrumar um sujeito que nunca falhe (só ouvi falar de dois, Ziraldo e Romário) ou entender que, no mundo da verdade, os homens são tão complexos quanto as mulheres. De um outro jeito, em outra direção, mas igualmente difíceis de prever e compreender. Ainda bem.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: