O tempo da delicadeza

Texto:  Rubem Alves

“Tudo tem o seu tempo determinado e há tempo para todo propósito debaixo do céu…” diz o texto sagrado. O amor também tem os seus tempos e ele muda como mudam as estações.
Nos países frios a primavera é o tempo da pressa. Os bulbos que por meses haviam hibernado sob o gelo, repentinamente despertam do seu sono, rompem da noite para o dia a camada de neve que os cobria e exibem sem o menor pudor os seus órgãos sexuais coloridos e perfumados, suas flores…
“Que lindas…”, dizemos. Ignoramos que aquela é uma beleza apressada. A primavera é curta. Outro inverno virá. É preciso espalhar o sêmen com urgência para garantir a continuidade da vida Por isso se exibem assim em sua nudez colorida e perfumada, para atrair os parceiros do amor.
Se as plantas pensassem elas teriam os mesmos pensamentos que têm os jovens quando neles desperta o sexo no seu furor para realizar-se. É só isso que importa: o coito. Passado o êxtase, vai-se o interesse, fuma-se um cigarro, vira-se para o outro lado… Tomas, o amante de A insustentável leveza do ser nunca permitia que uma mulher dormisse na sua cama. Ele se livrava delas depois de realizado o ato. É um sexo potente e feio.
O verão é o tempo quando a fúria reprodutiva se esgotou. Tempo maduro, tempo do trabalho, dos filhos, das rotinas domésticas. Os mesmos olhos que se excitavam ao contemplar o corpo nu da mulher amada já não se excitam. Já não sorriem e nem têm palavras poéticas a dizer sobre ele. Há uma rotina sexual a ser cumprida. Vai-se o encantamento, os olhos e as mãos se cansam da mesmice, e começam a procurar outros corpos e vem a saudade da juventude que já passou. Cumprido o ato vem o silêncio.
O outono é a estação de uma nova descoberta. Não há urgência. Nenhuma obrigação. A natureza está tranqüila. Na adolescência qualquer mulher servia, porque o sexo era comandado pelas pressões vulcânicas dos hormônios e pelos genitais. Agora o que excita é o rosto da pessoa amada. O sexo deixa de ser movido pela bioquímica que circula no sangue e passa a ser movido pela beleza. O amor se torna uma experiência estética. E o que os amantes outonais mais desejam não são os fogos de artifício do orgasmo mas aquela voz que diz: “Como é bom que você existe…”
O outono é o tempo da tranqüilidade. É bom estar juntos de mãos dadas sem fazer nada. É bom acariciar o cabelo da amada… Essa é a grande queixa das mulheres: que para os homens a intimidade é sempre preparatória de uma transa. Talvez porque se sintam obrigados a provar que ainda são homens. O que as mulheres desejam não é prazer; é felicidade. O outono é o tempo do amor feliz.
O Chico escreveu sobre esse tempo e lhe deu o nome de “tempo da delicadeza”.“Preciso não dormir até se consumar o tempo da gente…” Sim, preciso não dormir, é preciso não morrer, porque há muito amor ainda não realizado. Vem-lhe então a memória do amor que, por descuido, não se realizou, e vai em busca da sua recuperação: “Pretendo descobrir no último momento um tempo que refaz o que desfez…”
Esse verso me comove de maneira especial. Pensando no meu desajeito, na minha desatenção, vou me lembrando das coisas que derrubei, das palavras que não ouvi, das flores que pisei. E dá uma vontade de fazer o tempo voltar pra poder “refazer o que foi desfeito, pra recolher todo sentimento e colocá-lo no corpo outra vez…”
Aí ele vai mansamente dizendo as palavras que o amor deve saber dizer, palavras que só existem no “tempo da delicadeza.”
“Prometo te querer até o amor cair doente, doente…”
Por isso, por causa desse tempo misterioso, é preciso amar cuidadosamente com o olhar, com os ouvidos, com a mão que tateia para não ferir… enquanto há tempo.

Anúncios

One Response to O tempo da delicadeza

  1. Carla:
    Tô aqui enfrentando o verão, descobrindo a cada dia que a primavera ficou pra trás, e feliz – muito feliz – com esse prognóstico todo positivo em relação ao outono que se anuncia, lentamente.
    Sou louco por essa música, apesar de não gostar muito da versão da Verônica Sabino que toca em Vale Tudo. Chico é sempre tão melhor… “Apenas seguirei, como encantado, ao lado seu”.
    Carla, tô torcendo por você, como sempre. E por um outono mais lindo, mais calmo e sereno, em todas as relações.
    Beijo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: