Meu sorriso

Texto:  Milly Lacombe

Não preciso de explicação para tudo na vida. Aliás, preciso de explicações para poucas e boas coisas. Não me faz falta, por exemplo, saber como funciona uma televisão, como a imagem chega à tela, como funciona o motor de um carro, como se constrói um viaduto. Posso perfeitamente viver sem essas explicações. Mas eu preciso saber por que você me deixou. Por que você fez as malas e partiu? Por que acabou com meus sonhos, meus planos, meus desejos? Por que jogar fora nossa casa nova, as viagens que ainda não fizemos, os filhos que ainda não tivemos? Por que escolheu me deixar? Desde quando você planejou isso? Durante quantos dias, me olhou pensando em me deixar enquanto eu te olhava pensando em te beijar? Quando exatamente nos perdemos? Quando minhas piadas deixaram de ter graça? Quando minhas manias, durante tanto tempo tão apreciadas por você, começaram a irritar? Quando eu deixei de ser a mais bonita, a mais engraçada, a mais espirituosa? Alguma coisa você precisa me dizer. Porque não se destroem sonhos impunemente. Você pode destruir carros e viadutos, mas não sonhos. Não sonhos os sonhos que sonhamos juntos. Então tem alguma compaixão e diz aí por que você foi embora. Pára de me enrolar, pára de me torturar e simplesmente diz alguma coisa que sirva para me fazer voltar a viver. Não tô pedindo para que você me faça novamente sonhar, mas apenas para que eu volte a respirar. Não há no mundo pedido mais singelo. Porque, sem você do meu lado, o ar fica escasso, o peito dói, a respiração encurta. Por que essa coisa que nos dá vida é a mesma que nos mata? Por que o agente do prazer é também o agente da dor? Por que preciso de você para ser feliz? Nada parece justo na dor, e tudo faz sentido fora dela. Preciso sair e voltar a ser eu. Preciso ver o sol, a lua, o mar. Preciso não precisar de você. Existe algum antídoto para você? Existe uma forma de libertação? No fundo, quero mesmo é te xingar, te punir por parar de me amar. Como você ousou? Como era tão meu numa terça-feira e absolutamente estranho na quarta? Como perdi o livre acesso ao seu corpo, a sua boca, a sua alma? Você entende que essas perguntas sem respostas são as que fazem o ar me faltar? Será que pelo menos isso você consegue entender? Ah, que vontade de te bater, de te torturar, de te espancar, de te beijar, de te amar. Não quero mais sofrer – não por você. Quero um sofrimento novo, uma dor original, uma melancolia que não tenha a imagem de seu rosto sorrindo. Quer mesmo saber? Vai embora e me faça o favor de não olhar para trás. Porque, se você olhar, talvez acabe vendo uma cena que, à distância, poderá parecer chocante. Uma cena que, vista do lugar em que você está, desse pedestal para onde vão todos os que matam os sonhos compartilhados, poderá perturbar e até, pode ser, constranger. Uma cena que, no mínimo, vai assustar: a imagem nítida e clara de meu rosto sorrindo. E agora me dá licença, dor estúpida, porque preciso abrir a janela e deixar a luz entrar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: