Elas amam demais ?

Texto:  Ivan Martins (Revista Época)

Todo mundo conhece mulheres que amam demais – são aquelas que desabam quando os homens vão embora.

Ainda que elas vivam reclamando do sujeito, desmoronam no momento em que ele as deixa: não conseguem trabalhar, não conseguem dormir, não conseguem viver. Os amigos acorrem, a família se alarma, médicos são acionados. Mas nada é capaz de ajudá-las, nem ninguém. O desejo de viver parece ter sido levado pelo cara que foi embora. Tudo o que elas conseguem fazer é pensar nele. Mulheres que amam demais são obcecadas.

Conheci um rapaz que se envolveu num enredo desses.

Depois de um ano de namoro disfuncional – muita briga, um monte de sexo e nenhum plano em que coubessem os dois – o cara resolveu que era hora de terminar. Achou que a moça, que vivia reclamando dele, receberia a notícia sem surpresa, até com alívio. Qual nada. Assim que ele anunciou que não queria mais, ela sucumbiu. Não ali, na frente dele. Começou no dia seguinte, ao telefone: parecia outra pessoa, de tão abatida. Disse que não estava conseguindo sem ele. Depois começaram os torpedos no celular, num tom entre choroso e desesperado. Vários deles ao dia, que ele respondia meio sem jeito, tentando animá-la. Então as amigas dela começaram a ligar, deixando saber que a moça estava “praticamente suicida”. Sugeriam que ele fizesse algo. Mas fazer o quê, voltar? Ele não queria, muito menos com tanta confusão. Da última vez que eu soube do caso, ela continuava atrás dele, que tinha decidido bancar o doutor House: “Eu fico firme, mantenho a distância e digo a ela está fazendo papel de louca. Uma hora ela vai entender.”

Será? 

Algo me diz que há muito mais a entender na vida dessas mulheres do que um pé na bunda. Mulheres e homens, aliás. Não são poucos os barbados que fazem esse papel desesperado. Rejeitados, preteridos ou abandonados, eles também abraçam o desespero como se não houvesse alternativa. Estão convencidos de que a vida sem aquela mulher não vale a pena. Desistem, ou quase isso – até que a próxima paixão os salve, e, tempos depois, os atire de volta ao fundo do buraco amoroso.

Eu tenho a impressão, porém, de que há menos homens assim do que mulheres, e não por razões biológicas. É que a cultura masculina, ao contrário da feminina, desestimula esse tipo de atitude. Quando o sujeito abandonado começa a enlouquecer, é mais provável que as pessoas digam, “Pô, rapaz, para com isso!” do que “Ai, amigo, eu te entendo tanto…” Faz diferença. Esse tipo de dor é uma questão íntima, claro. Pertence mais ao terreno da psicologia do que da sociologia. Mas a maneira como o mundo recebe certos comportamentos pode incentivar que eles ocorram. E o mundo, decididamente, está acostumado ao sofrimento amoroso das mulheres.

Há também o drama da cronologia. Homens com 30 anos acham que a vida está começando. Algumas mulheres com 30 anos sentem que já estão perdendo o bonde da própria vida. Dois relógios quebrados, mas cada um deles produz seu tipo de maluquice…

Seja ele feminino ou masculino, por trás desse bolero agonizante há um tipo de personalidade cuja principal característica, me parece, não é amar demais – é sofrer demais. Arrisco dizer que essa explosão de sentimentos não tem sequer relação verdadeira com o amor. Penso nos milhões de pessoas que amam de forma tranquila e profunda os seus parceiros. Penso em muitos que são deixados a cada dia e atravessam com dignidade o seu percalço. Penso naqueles que acordam de manhã, encaram o vazio e se levantam. Minha conclusão, diante do exemplo deles, é que não há correspondência entre a dor que se exibe e o amor que se sente. A dor dos sofredores é real. O amor eu não sei.

Minha impressão, nada científica, é que há um tipo de personalidade comum a essas grandes histórias de sofrimento, sejam de homens ou de mulheres.

O traço mais marcante dessa personalidade sofredora é a dificuldade em estar só. Gente que passa em paz um domingo de chuva não entra em pânico porque o namorado foi embora. Quem sabe o prazer de ir sozinho ao cinema não desespera com a perspectiva de ficar sem namorada. Uma pessoa que já tenha viajado sozinha sabe que as férias – ou o feriado de Ano Novo – podem ser uma ótima ocasião para conhecer gente legal. Não estou dizendo que a solidão é gostosa ou desejável, muito menos no longo prazo. Só estou sublinhando que há pessoas para quem a simples perspectiva da solidão é totalmente intolerável – e são elas que se desesperaram quando um relacionamento chega ao fim. Qualquer relacionamento.

Outra marca registrada das mulheres (e homens) que sofrem demais é a dificuldade em enfrentar rupturas. São os patologicamente apegados, a qualquer coisa e a qualquer um. Uma vez que você tenha entrado no círculo de intimidade dessa mulher ou desse homem, sair será um problema. A maioria de nós cultiva a mesma dificuldade em algum grau. Acertada uma situação – namoro, casamento, trabalho, endereço – a gente deseja que ela permaneça. Deve ser preguiça, escrita nos nossos genes. Mas pode ser também medo do que é novo e desconhecido. Quando alguém vai embora, por pior que seja, abre um vazio – que é preenchido, instantaneamente, pela mais intensa ansiedade. O que virá depois? Quem virá depois? Para alguns, esse doloroso período de dúvidas deve ser insuportável.

O terceiro elemento da alma desesperada é a dificuldade em arrumar companhia. Há pessoas para quem isso é fácil e outras para quem não é. Não se trata apenas de aparência ou de charme. Conheço mulher chata que não é bonita e nunca está sozinha. E outras bonitas e legais que penam para achar um par. Vale o mesmo para os homens, imagino. O tipo de gente que tem facilidade para achar parceiros reage com mais calma diante das perdas afetivas. Elas sabem, mesmo na dor, que daqui a pouco vai pintar outra pessoa. Quem não tem essa segurança pode facilmente cair no desespero. E muitas vezes cai.

O que se faz com tudo isso? Pouco. Saber não adianta muito quando uma amiga está descendo ao fundo do poço ou quando nós mesmos nos sentimos arrastados a ele. Mas ajuda, eu acho, dizer a quem sofre além dos limites que isso não é bom e nem é natural. É bom dizer a quem está assim que ela ou ele precisa de ajuda. O luto por um grande amor é normal, o desespero por uma relação meia boca não é. Há que entender a diferença. Nada pior do que uma pessoa mergulhada em depressão com gente em volta achando sublime, cena de romance. “Ai, eu te entendo tanto, amiga. Amar demais é difícil!” Nada disso. Amar demais é bom. Não poder amar é que é ruim (e sobre isso eu escrevo na próxima semana). Mas esse sofrimento aí não tem a ver com amor. A dor de quem sofre demais precisa ser tratada para que uma paixão de verdade possa aparecer.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: