O olhar do amor

Texto:  Jorge Bucay

O rei estava apaixonado por Sabrina, uma mulher humilde que havia se tornado sua última esposa.

Certa tarde, quando o rei estava caçando, um mensageiro chegou ao palácio para informar que a mãe de Sabrina estava doente.Embora fosse proibido usar a carruagem particular do rei – falta que seria paga com o próprio pescoço -, Sabrina usou-a para socorrer a mãe.

Quando o rei soube da situação, comentou:

– Ela não é maravilhosa? Isso que é amor. Não se importou com a própria vida para cuidar da mãe! Ela é admirável!

Outro dia, enquanto Sabrina comia frutas sentada no jardim do palácio, o rei aproximou-se. A rainha o cumprimentou e mordeu o último pêssego.

– Parece gostoso! – disse o rei.

– Está uma delícia – respondeu a rainha, estendendo a mão para ceder o pêssego ao amado.

– Como ela me ama! – comentou depois o rei – Renuncia ao próprio prazer para me dar o último pêssego da cesta.

Passaram alguns anos e o amor do rei por Sabrina acabou. Agora ele conversava com seu melhor amigo:

– Ela nunca se comportou como uma rainha… Acredita que me desafiou e usou a minha carruagem? E pior, um dia ofereceu-me uma fruta mordida. Que absurdo !

 

A realidade é sempre a mesma. No entanto, como na história, podemos ver o fato de uma maneira ou de outra. Cuidado com suas percepções. Se o que voce vê se ajusta perfeitamente à realidade que mais lhe convém, desconfie de seus olhos !

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: