Não sabemos discordar

Texto: Wagner Brenner

“Triste fato: não sabemos discordar. Um saco. Estamos no prézinho da discordância.

Diariamente perdemos conteúdo inteligente de pessoas que simplesmente desistem de escrever e opinar, por causa dos comentários grosseiros.

Engraçada essa interpretação errada de que os bate-bocas nas redes (geralmente no Facebook né?) acontecem por causa de posições contrárias, quando na verdade é pela maneira como as pessoas escrevem. O problema não é o preto ou o branco. É o cinza. A incompatibilidade intrínseca entre as ideias está ficando em segundo plano, escondidas na falta de habilidade das pessoas na hora de defender posições contrárias.

huge.15.77039-1dica #1: cutuque o balão, não o olho do cara

A discordância, que deveria ser reverenciada como A grande aliada na formação de opinião, é diariamente consumida em chamas. Minha mãe ensinou que quando a gente perde a linha, perde também a razão. Em outras palavras, se alguém resolver falar que o sol gira em torno da terra e você chamá-la de imbecil, você (1) perdeu a chance de esclarecer alguém (quem é que pára para pensar diante de um insulto?) e (2) perdeu a chance de ficar calado, porque sua grosseria vai ficar alí exposta por muitos e muitos anos. Para os seus filhos, por exemplo, que um dia podem ter curiosidade de dar uma Googada no seu nome para ver o que/e como seu pai/mãe escreviam.

Saber discordar não é fácil. Não é MESMO. Dá trabalho, precisa raciocinar MUITO para organizar e embalar as ideias de um jeito claro. É uma habilidade e requer aprendizado e prática. A gente sabe que para construir uma ponte é preciso estudar anos de matemática, mas acha que para construir argumentos é só sair falando. Esse ping-pong filosófico é racional por natureza. A emoção deve ser usada com parcimônia, apenas para temperar. Pode sim vir com uma pitada de indignação, mas no mesmo instante que você passa do limite e “apela”, toda a sua argumentação desmorona.

Você deve concordar com tudo? Pelo amor de Deus, não.

Você deve virar uma lady diante de alguém com outra opinião e muitas vezes sem educação? Não! Siga com valentia, mas use a inteligência para se defender.

Um truque bom é lembrar que a intenção desse embate é desafiar os argumentos para descobrir o que pára em pé. Você desafia um raciocínio, não um oponente.

Se pretendemos nos vangloriar dos tempos modernos em que vivemos e do privilégio do livre trânsito de ideias, tá na hora de aprender a se manifestar do jeito certo, em benefício de todos e não por um prazer individual e narcisista de querer ter razão para posar de incrível. Seja incrível educando, compartilhando, fazendo pensar.

 

E, por favor, não seja um escroto. Porque quando aparece um grosseirão nos comentários só fica uma certeza: a da falta de educação, em TODOS os sentidos. Apelou é porque não tem repertório para discordar (o que também não é problema nenhum, eu não tenho repertório para discordar da maioria das coisas), mas enquanto amadurece suas ideias, não fique roubando o tempo dos outros com cobrinhas, pregos e raios porque isso não tem efeito prático nenhum e ainda deixa algo de ruim no ar. É um pum mental.

Quer discordar? Respira fundo, se acalma (sei que é difícil, mas vale a pena), desenvolva um argumento e aí sim compartilhe. Se for uma dúvida, compartilhe a dúvida, não uma certeza.

A coisa ficou pessoal? Mude para o modo email e poupe o resto do mundo do seu mimimi.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: